Os 8 Mitos da Hipnose que Você Ainda Acredita

os 8 mitos da hipnose

24.01.2018 por Rafael Kraisch

Compartilhar:

Quer conhecer os 8 mitos da hipnose? Continue lendo!

 

A Hipnoterapia gera opiniões controversas entre a comunidade médica e descrença por parte da sociedade graças aos muitos mitos da hipnose.

São verdadeiros clichês que impedem as pessoas de alcançarem uma vida plena por desconsiderarem o verdadeiro valor terapêutico da técnica.

Não sou, de forma alguma, contra as demonstrações de hipnose que são feitas para o entretenimento (a chamada Hipnose de Palco).

Admiro quem as faça, e as considero excelentes maneiras de mostrar o poder, não do hipnotista, mas da mente da pessoa que está ali participando.

Mais do que promover shows, a hipnose é uma ferramenta muito eficaz no tratamento de diversas condições, traumas e fobias.

Porém, para entendermos o que de fato é a hipnose, precisamos saber primeiro o que ela NÃO é.

 

Mito #1 – Hipnose é Magia

Embora pareça mágico ou miraculoso o trabalho da hipnoterapia, ela não o é!

É uma terapia que não tem nada de místico, religioso ou espiritual.

Pelo contrário, seu foco é o cérebro, o cérebro que todo mundo tem mas que não sabe usar corretamente ou plenamente.

Talvez este seja o verdadeiro problema: não é porque você desconhece como usar a ferramenta que ela não funcione!

 

Mito #2 – Hipnose é Controle da Mente

A hipnose não é o controle da mente do indivíduo, como se fosse possível eu tirar seu livre-arbítrio ou jogar fora sua moral!

Na verdade, a hipnose é o controle da mente feito pela própria pessoa, e não pelo hipnotista.

É a pessoa que decide o quão fundo irá, e qual a intensidade da terapia. Se ela realmente quer a solução do seu problema, ela fará essa escolha.

A função de terapeuta ou hipnotista é apenas auxiliar a pessoa nesse caminho.

 

Mito #3 – Hipnose é Relaxamento

É muito comum circular na internet anúncios de hipnose como áudios de relaxamento.

Embora o estado hipnótico seja percebido como um de relaxamento muito profundo, simplesmente relaxar não o ajudará em nada.

Para fins terapêuticos, é importante uma intenção e uma técnica certa, pois, do contrário, será inútil.

 

Mito #4 – Hipnose é Ocultismo

É muito comum as pessoas associarem o trabalha da hipnose ao ocultismo.

Talvez, isso aconteça porque a hipnose ainda seja vista como algo “oriental”, “estranho” ou “do além”.

Na verdade, a hipnose é puramente um estado super concentrado da sua mente, estado esse que você experiencia dezenas de vezes durante o dia – sem perceber!

Exemplo: quando você entra no carro e nem percebe o caminho de casa; quando o filme está nos momentos decisivos e você não se dá conta de alguém chamando por seu nome; quando toca a sua música preferida; etc.

 

Mito #5 – “Eu não sou Hipnotizável”

De acordo como Gerald Kein, um dos maiores e mais importantes hipnoterapeutas da era atual, só existem duas pessoas que não entram em hipnose: aquela que não quer e aquela que tem medo.

Algumas outras podem não entrar muito facilmente ou demorar mais (o que também é uma minoria), mas em geral, todos entram muito rápido e facilmente, pois, como já dito, o cérebro humano entra neste estado todos os dias, várias vezes, pois faz parte da evolução da vida – o cérebro precisa economizar “bateria”.

Elaborei um pequeno teste para você descobrir se pode ser hipnotizado, acesse aqui.

 

Mito #6 – Hipnose muda o Cérebro

Não, apenas ajuda na mudança dos padrões de pensamento.

Por exemplo, uma pessoa que acredita que não merece ser feliz, provavelmente terá inúmeras razões e desculpas para reforçar e manter esta crença infeliz.

No processo de hipnoterapia, ela poderá perceber que este é um pensamento que, um dia, no passado, foi tão marcante que se tornou uma lei para ela.

Assim, a hipnoterapia será a oportunidade de mudar o significado daquela experiência e com isto, retornar ao momento presente com novas ideias.

 Sobre isso, eu tenho um material gratuito para todos que sentirem o chamado de saber mais sobre: Reprogramação mental.

 

Mito #7 – Hipnose é Apenas Entretenimento

A hipnose para shows e entretenimento tem seu valor, e mostram que o verdadeiro poder é da pessoa que participa, não do hipnotista.

Se você olhar atentamente um show, tanto de palco quanto de televisão, perceberá que as pessoas são selecionadas previamente, e são escolhidas de acordo com a sua capacidade e vontade de se divertir, aparecer, e ajudar.

De resto, a hipnoterapia utiliza este mesmo poder voluntarioso do cliente, e o ajuda a ir ainda mais fundo do que ele iria no palco, de modo que possa acessar sua mente subconsciente e realizar as mudanças que desejar.

 

Mito #8 – Hipnose é do Mal

Em alguns filmes ou desenhos animados é comum alguém usar a “hipnose” para distrair, manipular ou dominar alguém.

Embora isso seja parcialmente possível, você também verá nos filmes pessoas que voam, que ultrapassam trens em movimento, que viram peritos em lutas com três meses de treino, tornando assim os filmes fontes não confiáveis de informação sobre a técnica.

 

Afinal, o que é a Hipnose?

Hipnose é uma maneira linda, rápida e indolor de ajudar na solução dos problemas, a viver melhor, a viver sem dor, sem culpa, sem raiva.

A hipnose é utilizada para despertar o seu verdadeiro poder de transformação.

O tratamento feito pela hipnose não é perigoso ou invasivo, e você não falará coisas “secretas”, ou fará coisas que vão contra a sua moral e ética.

De acordo com pesquisas, uma única sessão de hipnoterapia é tão ou mais eficiente que três anos de terapias comuns, porque você vai direto à “causa”, sem ficar rodando sobre “achismos” ou problemas atuais.

 

Eu acredito no pleno potencial da hipnose, não como uma simples técnica de indução ou grito, mas como uma arte que pode ser ensinada, trabalhada e compartilhada, de maneira ética, segura e profissional. Te convido a mergulhar de cabeça no processo da Hipnose Clássica comigo, Rafael Kraisch.

Assista ao vídeo abaixo e aproveite para se inscrever em meu canal do Youtube onde posto vídeos novos toda semana. 

 

 

Rafael Kraisch

Depoimentos

O que dizem sobre nosso trabalho